quarta-feira, 12 de agosto de 2015

O livro que mudou minha vida

Totalmente inspirado nesse post.

Em 2003, durantes as férias da escola, eu aguardava ansiosamente o início do próximo ano eletivo: estaria na quinta série, em um colégio novo. Eu vivia uma vida boa: de casa para a escola, da escola para casa ou eventualmente para a casa de alguma amiga. Era boa aluna, inteligente mas não muito esforçada. Gostava de matemática e odiava português. Até que, naquele ano, meus pais compraram o material escolar com bastante antecedência, isso nunca tinha acontecido antes! E minha mãe, sabendo como sou louca por material escolar, escondeu meus livros no meu guarda roupa (não foi muito inteligente da sua parte mãe, admita). Em uma tarde ociosa (eram muitas), eu logo descobri o que tinha ali, passei horas folheando aqueles livros tão bonitos e tão novinhos, até que encontrei o tal livro de literatura. A gente chamada assim, sem nem saber o que era literatura. O título logo despertou minha curiosidade, O Guardador de Palavras. Mas quem seria esse Guardador? O quê seria esse Guardador? Uma pessoa, um monstro, uma profissão? Curiosidade de criança não dá para controlar, arrisquei ler um pouquinho da história, pensando em guardar para as aulas o melhor do livro. Que engano. No dia seguinte já tinha terminado a leitura, o que para mim, até então, era uma façanha. Não sabia mas daquele momento em diante eu tinha me tornado uma devoradora de livros. Aquelas 45 páginas tinha mexido comigo, tinha mudado a minha vida. Durante aquele mesmo verão, eu reli, e reli, e reli de novo e de novo o livro. Tipo, umas mil vezes. Quando as aulas na nova escola voltaram eu já sabia de cor e salteando a história do Quim, ele já era meu amigo. Eu já conheci as manias e as questões dele. Antes disso eu já tinha lido alguns livros, todos curtinhos, a maioria indicados pela escola mas eu apenas lia, não vivia aquelas história. Até ler O Guardador de Palavras. Depois dele os livros ganharam outras cores para mim, tinha um novo significado na minha vida. Tudo o que eu aprendi com o Quim, graças a Marina Pechlivanis, me fez enxergar o mundo ao meu redor diferente. Eu aprendi que os livros não são apenas para serem lidos, eles são para nos impulsionar a escrever a nossa própria história, vivermos nossa própria aventura.

"Quim percebeu que não sabia de tudo. Que não adiantava ler livros e mais livros sem colocar tudo isso em prática. Que era mais emocionante participar do que ser apenas um espectador. E que ler é bom, mas também existem outras coisas boas para se fazer na vida..."

***Este post faz parte do BEDA, que consiste em postar TODOS OS DIAS durante o mês de agosto. Me ajudem!!11! Indiquem temas, tags e receitas para manter a sanidade.

3 comentários:

  1. Amei essa resenha Gabi! Nunca tinha ouvido falar desse lido, mas essa passagem que você deixou ao final do post é MARAVILHOSA e muito verdade.
    Beijinhos :*

    ResponderExcluir
  2. Oie,
    Nossa que história linda,o primeiro livro que li se chamava o Namorado e era bem infantil hehe
    mas acho incrível o poder que os livros tem sobre as pessoas.adorei o post :)

    bjos
    www.dia29.com

    ResponderExcluir
  3. Sempre lindo ver as histórias das pessoas e seus primeiros livros. Descobrir esse mundo é muito mágico. Tive vários livros desde o começo da minha vida, não consigo recordar do primeiro, mas consigo lembrar de vários momentos debruçada no chão, lendo-os. Encontros com os livros certos mudam a nossa vida!

    Beijinhos! :*

    ResponderExcluir